Fitas VHS e fitas de filmadoras antigas – Você ainda possui?

Fitas VHS e fitas de filmadoras antigas – Você ainda possui?

Conheça o mundo das Fitas de Vídeo, mídias históricas e sua evolução.

As Fitas VHS e Fitas de Filmadoras de Vídeo, surgiram com força por volta de 1976, assim popularizando o mercado de filmagens amadoras.  Antes disso, em meados de 1969 foi surgindo, embora em 1971 foi comercializado o formato U-Matic, criado para facilitar o processo de filmagem, contudo não era de uso doméstico.

Filmadoras antigas

Formatos antigos de armazenamento de vídeo

Desde a criação e uso dos filmes de 16 mm, que eram materiais de suporte que davam muito trabalho, pois a gravação deveria ser revelada e montada, após todo o processo de captação das imagens, enfim as mídias vem se dividindo entre analógicas e digitais.

Também existem as diferentes versões, sendo fitas magnéticas e discos ópticos. Tanto fitas como discos possuem os formatos analógico e digital.

Várias siglas em suas diferentes evoluções, existiram desde então:

Fitas de Filmadoras Analógicas:

1. U-Matic – 1969

2. Betamax – 1975

3. VHS – 1976

4. VHS-C – 1982

5. Betacam – 1982

6. Video8 ou 8mm – 1985

7. S-VHS – 1987

8. Hi8 – 1989

9. W-VHS – 1994

Você conhece o Video Cassete?

Fitas VHS e Fitas de Filmadoras Antigas

Video Cassete e a Fita VHS

Se você nasceu depois da década de 90, porque provavelmente não conhece, ou nunca precisou deste equipamento que antecedeu, DVD, Blu-ray, Pen Drive, HD externos e Cloud Computing, com os famosos You tube, Vimeo, Netflix, surpreendentemente, você pode conhecer alguns modelos de fitas.

Fitas de filmadoras Digitais:

1. D1 – 1986

2. D3 – 1991

3. Digital Betacam – 1993

4. DV – 1995

5. HDCAM – 1997

6. D-VHS – 1998

7. Digital8 – 1999

8. MicroMV – 2001

9. HDV – 2003

JVC-Camcorder

Filmadora Digital – JVC GY-HM150U Compact Handheld 3-CCD Camcorder

Saiba como Converter, Digitalizar ou transformar a Fita VHS para DVD:

Para a digitalização de Fitas VHS antigas, é necessário ter uma placa de captura (interna ou externa). Além disso, um computador com processador de, pelo menos, 2 GHz, 512 MB de memória RAM, um HD com cerca de 80 GB livres e uma placa de vídeo de 64 MB ou superior.

Também é preciso ter um video cassete em bom estado, por que a qualidade da conversão para arquivos digitais ou mídias físicas, como DVD, dependerá da conservação da fita e também da leitura do cabeçote do aparelho.

Gostou deste post? Compartilhe com seus amigos e em sua rede social. Um grande abraço e até o próximo!!

Siga a Video Shack Laboratório Audiovisual nas redes e se inscreva na Newsletter!